Quais tipos de plástico são recicláveis? Veja exemplos

Todos os plásticos são recicláveis? Teoricamente, sim. Mas, na prática, a história é diferente. Existem plásticos de alta reciclabilidade, como o usado em garrafas de refrigerante e água, enquanto outros devem ser evitados a todo custo pelos consumidores, como copos plásticos.

Um estudo recente da ONG norte-americana Center for Climate Integrity apontou que apenas 9% do plástico produzido globalmente é reciclado. No Brasil, o número é ainda mais alarmante: só 1,3%.

Portanto, saber qual plástico é reciclável ou não é importante para que você faça bonito com o meio ambiente. Ele merece e está precisando…

Símbolo de identificação

Você já deve ter reparado naquele triângulo formado por três setas com um número no centro, certo? Trata-se de um símbolo criado pela Plastic Industry Association para indicar qual o tipo de plástico que a embalagem é feita. 

São números de 1 a 7 com códigos mundiais que ajudam no processo de separação e reciclagem dos materiais.

Tipos de plástico

  1. Polietileno Tereftalato (PET)

É um dos plásticos mais comuns. Usado na produção de frascos e garrafas para alimentos, como garrafas de refrigerante e água, ele tem alta reciclabilidade, mas precisa ser corretamente descartado e coletado.

Outros exemplos: embalagens de medicamentos e cosméticos.

NB: As bandejas de plástico PET onde são colocadas frutas e verduras (inclusive orgânicas) são feitas de plástico PET, mas não são recicláveis. Curiosidade: as pessoas das cooperativas de catadores, que são responsáveis pela triagem de grande parte dos recicláveis no Brasil, reconhecem se um plástico PET não é reciclável pelo som que ele faz quando manuseado. Se o plástico faz barulho, não é reciclável. Curioso, né?

  1. Polietileno de Alta Densidade (PEAD)

O PEAD é geralmente utilizado em engradados de bebidas, baldes e tambores, como frascos de amaciantes, alvejantes, shampoos, detergentes. Assim como o PET, tem alta reciclabilidade, desde que seja corretamente descartado e coletado.

Outros exemplos: embalagens de óleos automotivos e sacos usados para envio de mala direta, revistas e jornais.

  1. Cloreto de Polivinila (PVC)

Popular por seu uso na construção civil, em tubulações de água e esgoto, também é utilizado em garrafas de água mineral e detergentes líquidos. Sua reciclabilidade é baixa, principalmente na coleta domiciliar.

Outros exemplos: potes de maionese e óleos comestíveis.

  1. Polietileno de Baixa Densidade (PEBD)

É comum na fabricação de sacolas de supermercados e também está presente nas embalagens de leite, que contêm camadas de papel, PEBD e alumínio. Sua reciclabilidade está crescendo, mas ainda é baixa.

Outros exemplos: embalagens de pães, frios e embutidos.

  1. Polipropileno (PP)

É muito utilizado em potes de margarina, manteiga e outros produtos. Tem alta reciclabilidade, mas é importante higienizá-lo antes do descarte nas lixeiras.

Outros exemplos: produtos industriais e da construção civil, como cordas, tubos para água quente, fios e cabos. 

NB: Embalagens de batatas fritas, sorvetes, chocolate (como Mars, KitKat, etc.) são geralmente feitas de plástico PP. No entanto, esse plástico tem uma reciclabilidade muito baixa. A razão? A indústria da reciclagem não compra esse tipo de material. 

  1. Poliestireno (PS)

Utilizado nos populares copos e talheres descartáveis. Se você ainda dá a sua festinha com eles, chegou a hora de rever os seus conceitos. Antigamente, o PS tinha boa reciclabilidade, mas hoje é considerado um plástico de uso único e deve ser evitado.

Outros exemplos: potes para alimentos, como iogurtes, sorvetes e doces, e aparelhos de barbear.

NB: Nesta categoria está também o famoso ISOPOR. Apesar de ser reciclável, é pouco reciclado porque é composto de 90-98% de ar. Isso significa que tem um grande volume e pouco peso, não sendo interessante para catadores e outros agentes da logística reversa.

  1. Outros plásticos, como acrílico, nylon e plásticos mistos têm reciclagem zero na coleta domiciliar e baixíssima reciclabilidade, portanto devem ser evitados a todo custo.

Agora que você já sabe qual plástico é mais ou menos reciclável. Faça a sua parte e descarte corretamente!

Se na sua casa ainda não passa o caminhão da coleta seletiva, ou se você quer dar um destino correto, além dos recicláveis, também aos restos de comida, nós oferecemos um serviço de coleta seletiva de resíduos recicláveis e compostáveis para residências! Visite a nossa página: https://realixo.com.br/coleta-residencia

NB: A taxa de reciclabilidade mencionada neste artigo é válida para a cidade de São Paulo. Outras cidades têm sistemas diferentes e, geralmente, uma reciclabilidade dos materiais ainda mais baixa. Em geral, precisamos reduzir a compra de embalagens de uso único, especialmente as de plástico.

E você, onde mora? Quais dúvidas tem sobre a reciclabilidade das embalagens?

Fontes: 

Recicla Sampa

https://www.reciclasampa.com.br/artigo/saiba-quais-plasticos-sao-reciclados-e-quais-nao-sao

A Fraude da Reciclagem do Plástico (Center for Climate Integrity)

https://climateintegrity.org/plastics-fraud

Autor: Marcello De Vico, jornalista, produtor de conteúdo, redator SEO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *